Training the Facilitator in Participatory Appraisal
 Página Inicial
 Avaliação participativa





Traduções:

'العربية / al-ʿarabīyah
বাংলা / Baṅla
Català
中文 / Zhōngwén
Deutsch
English
Español
Filipino/Tagalog
Français
Ελληνικά / Elliniká
हिन्दी / hindī
Italiano
بهاس ملايو / Bahasa Melayu
Polszczyzna
Português
Română
తెలుగు /Telugu
Tiếng Việt

                                        

Outras Páginas:

Módulos

Mapa Do Site

Palavras Chave

Contato

Documentos Úteis

Links Úteis

TREINAMENTO DO FACILITADOR DA AVALIAÇÃO PARTICIPATIVA

Técnicas efetivas para transmissão de conhecimentos

por Phil Bartle, PhD

traducido por Eliane Garcez


Notas para os Instrutores

Como treinar mobilizadores e facilitadores comunitários para incentivar a participação da comunidade na avaliação.

Se você tiver a tarefa de treinar e/ou coordenar os mobilizadores em técnicas para incentivar a participação dos membros da comunidade na avaliação das necessidades, prioridades, problemas e obstáculos de suas próprias comunidades, então há vários princípios e métodos a considerar.

Aprender fazendo; (A) Em uma sessão de treinamento:

Certamente, você pode usar métodos comuns de treinamento para transmitir os princípios PRA/PAR para os treinandos (slides, projeção de transparências, filmes de vídeo, seminários, debates e pequenos grupos de discussão). Recomendamos que essas técnicas tradicionais sejam usadas para complementar o treinamento e que a parte principal do seu método seja "aprender fazendo".

Você e seus treinandos terão resultados compensadores se você usar diversos contextos onde seus treinandos possam se envolver "fazendo". Esses contextos podem incluir: (1) jogos com posições estruturadas, (2) jogos de simulação e (3) processos em grupo.

Pode-se simular que o grupo de treinandos é a comunidade alvo e eles podem ser ajudados a identificar as necessidades do grupo, os recursos, obstáculos e prioridades. Isso não é um exercício sem objetivos pois deve levar a produção de um relatório que contribuirá para treinamentos e operações futuras do grupo. Os treinandos podem se revezar na liderança do processo.

Quando você comparar o "aprender fazendo" nas sessões de treinamento, onde a situação é controlada, com o "aprender fazendo" no campo de trabalho, onde existe menos controle, você vai ver prós e contras nas duas situações. Na situação controlada, mais usada para principiantes, você tem mais estrutura e um "entorno mais seguro" para treinandos ainda inseguros. No treinamento em campo, você pode ter menos controle sobre o que acontece, mas a experiência é mais realista para os treinandos.

Aprender fazendo: (B) No campo

A pratica no campo de trabalho é menos segura mas é um aprendizado muito mais intenso para os treinandos. Existem varias formas de aprendizado no campo.

Por exemplo:

  1. o treinando ajuda um facilitador experiente
  2. o treinando organiza e coordena a sessão da comunidade (enquanto o instrutor assiste e está disponível para intervir se necessário)
  3. o treinando assume a responsabilidade por tudo e o instrutor somente supervisiona.

Em todos os casos, é importante se fazer uma sessão de reavaliação após a sessão em campo. Essa experiência enriquece o aprendizado.

Isso dá ao treinando a chance de: (1) registrar e analisar o processo em que toma parte; (2) avaliar as etapas do processo baseado na experiência real; (3) colocar questões especificas e detalhadas para o instrutor e (4) formular princípios e técnicas para o trabalho futuro.

E dá ao instrutor um fórum para: (1) dar um retorno baseado nas suas observações; (2) fazer recomendações baseadas em eventos concretos e (3) orientar o treinando na observação, analise, elaboração de registros e relatórios escritos.

Aprendizagem através de material escrito

O material pedagógico não é tão efetivo como o processo de incentivar e ensinar os treinandos a desenvolver as habilidades necessárias. Entretanto, é útil como revisão e referência e ajuda a reforçar o que os treinandos aprenderam na prática.

Os treinandos tendem a recorrer ao material escrito e são capazes de ler e compreender muito melhor se eles tiverem tiverem tido recentemente uma sessão prática sobre o mesmo assunto. O material pedagógico ( como os outros tipos de aprendizado) pode ser usado em diferentes níveis conforme o treinando vai adquirindo mais conhecimento. No nível inicial, deve ser simplificado e ilustrado e entregue diretamente ao treinando pelo instrutor.

Todos os folhetos e a maioria do material de treinamento deste site está nessa categoria de material de treinamento. Deve ser apresentado em linguagem simples , sem complicações (em linguagem local, se for preciso) de forma clara e não ambígua. As ilustrações são complementos valiosos nesse tipo de material pedagógico de treinamento. Treinandos, que tenham tido alguma experiência de campo, necessitam material pedagógico de treinamento de nível mais alto. Pode ser mais sofisticado.

As advertências devem ser anotadas e as dúvidas assinaladas (o que desanimaria os principiantes). O mais importante , entretanto, é que o material pedagógico de nível intermediário e avançado (resumido ou não) não deve ser fornecido livremente para os treinandos.

Como no caso da metodologia de empoderamento, se os treinandos se esforçam e se sacrificam um pouco para obter o material, eles o valorizam mais. De aos treinandos algumas orientações, ponha-os na direção correta e os instrua para fazer sua própria documentação (pesquisa).

Aprendendo ensinando:

Enquanto " a experiência " é talvez a melhor forma de aprendizado , o processo de ensinar para outros, pode ser por si só uma experiência de aprendizagem de alto nível. Confrontado com a perspectiva de ter que passar os conhecimentos para outros, mesmo quando estão numa simulação onde todos tem o mesmo nível de experiência, os treinandos tenderão a preparar-se de forma a estar seguro que os ensinamentos foram bem entendidos.

Incentive seus treinandos a elaborar folhetos e diretrizes tipo "como fazer" , mesmo que sejam simples (A preparação do material de treinamento é outra forma de ensinamento). Faça-os praticar entre si usando esses folhetos. Depois de cada sessão, pergunte se os conceitos e princípios foram bem compreendidos. Os treinandos entenderam o instrutor? Discuta cada apresentação e exercícios escritos com todos os treinandos.

Os treinandos podem praticar a ensinar de diferentes maneiras, como fazer apresentações ou na preparação de material escrito. Incentive essas (e outras maneiras) entre os treinandos para mobilizadores ou facilitadores.

Peça aos treinandos para preparar o material escrito na linguagem mais simples possível, usando a gramática mais simples e vocabulário comum. Incentive também os treinandos a ,sempre que possível, usar a linguagem local. Para incentiva-los mais, copie e publique o material de treinamento elaborado por eles e circule esse material em boletins locais, revistas e jornais profissionais, sempre que possível. Assim se reconhece e se torna público o esforço dos treinandos e lhes dá mais incentivo para prosseguir.

Continue aprendendo

Sempre relembre aos seus treinandos que aprender sobre sua profissão deve ser uma chamada ou vocação para a vida toda,

"Quando você para de aprender, você está morto."

––»«––

Treinando Facilitadores Comunitários:


Treinando Facilitadores Comunitários

© Direitos de autor 1967, 1987, 2007 Phil Bartle
Web Design: Lourdes Sada
––»«––
Última actualização: 02.12.2011

 Página Inicial

 Mantendo a Intervenção